Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation on 11/09/18 in all areas

  1. 4 points
    Nos meios de cultura se usam substratos que permitem que os organismos consigam se reproduzir. Existem muitos tipos de microorganismos, com diversas funções, como algumas que conseguem solubilizar fosforo por exemplo, quando a gente inocula uma solução no meio de cultivo a gente vai favorecer alguns microorganismos, mas ali não vai ter nem 1% dos microrganismos que teria no solo. As micorrizas por exemplo são biotróficas, elas precisam de um organismo vivo pra sobreviver, se a gente aplicar uma adubação mineral talvez a gente favoreça o crescimento de organismos competidores e ela não se desenvolva. Outro ponto que pode interfirir: Varias especies de plantas gostam de se associar a bacterias e fungos e produzem "alimentos" para atrair esses, mas isso tem um custo energético, se no solo tiver alta disponibilidade de nutrientes, que ocorre na adubação mineral, ela não vai ver vantagem em favorecer esses organismos. Tem muito trabalho cinetifico nesse sentido abordando muitos outros aspectos mais complicados de bioquimica e biologia molecular. A adubação mineral ainda favorece a salinização e acidificação. Acredito sim que a adubação mineral atrapalha o desenvolvimento de uma vida no solo, em contrapartida de um sistema organico. Numa procura rápida um artigo só pra ilustrar, https://esajournals.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.2307/1942106 https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0038071702002973 https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0929139315300263
  2. 3 points
    Quando vão vir instalar o ar do grow e tu tem que esconder tudo
  3. 2 points
    Suas colocações e os artigos complementando estão perfeitos, mano. E o modo como eu acabei fazendo minha afirmação de que não prejudica a microvida foi um equívoco cometido pela correria das palavras, pq dependendo como for feito pode realmente prejudicar. Só que volto a bater numa tecla, acho que o sistema que a gente cria dentro de um vaso deve ser visto de forma diferente do que grandes culturas. Ainda mais num cultivo de cannabis, mesmo o no-till, pelo que eu acompanho de alguns amigos que rodam esse sistema, vez ou outra ainda rola uma rega com alguma adição de matéria orgânica, além dos grãos que o pessoal deixa germinar e colonizar, então tá sempre rolando uma adição e a recolonização você garante nessas entradas. E acaba tendo que rolar esse aporte a mais por conta do tamanho do sistema que não é totalmente sustentável e ciclável por si só, apesar do pessoal estar fazendo um trabalho sensacional nas misturas e criando um solo riquíssimo em microvida. Como o ponto chave é o equilíbrio, com certeza se você pegar um sistema predominantemente orgânico e sair metendo fertilizante mineral o equilíbrio vai se perder e vai dar ruim. Mas acho válido utilizar desse recurso caso algum parâmetro no cultivo orgânico tenha saído fora do controle, como alguma carenciazinha que poderia ser facilmente suprida por algum sal, sem se preocupar se você vai acabar com a microvida do solo, saca? Não é o seu caso pq vi que você tem conhecimento da área, mas o pessoal aqui no fórum vive dizendo isso como se fertilizante mineral fosse um bactericida/fungicida haha. Se qualquer coisa fugir do equilíbrio, aí realmente vai mais prejudicar do que ajudar!
  4. 2 points
    Vale muito apena mesmo ler esse pessoal. É incrível o rolê... Vou dar uma pesquisada nessa Ana Maria, a johanna eu já ouvi falar, inclusive uso feijão e estou esperando chegar o trevo vermelho pra fixação de nitrogênio. Essa fita é muito massa mesmo. Pra plantar ganjah mano, o livro teaming with microbes e teaming with fungus do jeff lowenfels cai como uma luva. Valeu pelas referências mano! Abraço
  5. 2 points
    Não tive contato com nenhum desses autores na minha graduação, normalmente os professores se fecham muito na comunidade nacional, até porque temos grandes pesquisadores na área de plantio direto e microbiologia do solo. Mas é sempre bom abrir a cabeça, vou pesquisar o material dessa galera pra expandir o conhecimento. Tem duas pesquisadoras que não são brasileiras mas fizeram carreira aqui e eu recomendo, A Ana Maria Primavesi, foi uma das primeiras a introduzir o paradigma do solo vivo, inclusive é uma "matrona" da agroecologia, e outra a Johanna Döbereiner, da embrapa agrobiologia, que fez um trabalho muito foda com bactérias fixadoras de nitrogenio.
  6. 2 points
    Adiciona umas gotinhas de mel na erva.. vai ter um sabor melhor e vai disfarçar mais o cheiro.. Procura isolar a porta que sai pro corredor e se seu banheiro tiver exaustor, liga ele que vai ajudar tbm.. Espero ter ajudado 😃
  7. 2 points
    Só alguns adendos aí na minha opinião e do que eu me lembro vagamente.. Um substrato com perlita, turfa e húmus pode sim ser levado como hidro. A carga de matéria orgânica e nutrientes dessa combinação é baixa e muito rapidamente esses nutrientes adsoRvidos (adsolvidos não existe) originalmente nos colóides são consumidos e o que resta pra planta são principalmente os nutrientes que estão em solução, além do que vai sendo trocado com as poucas ligações presentes. Ainda assim uma água de torneira contém traços de todos os elementos, incluindo Ca, e uma rega continua com uma água pesada em alguns elementos, como o próprio Ca, pode sim levar a alteração do pH do sistema já que se trata de uma escala tão pequena dentro de um vaso. Se você quiser fazer adições frequentes de material orgânico, como mais húmus, tortas e chás aí já não dá pra levar como hidro mesmo e os conceitos que o Agrotech lançou podem se aplicar. Importante lembrar tbm que íons de H e Al a gente encontra nos solos provenientes de rochas depois de um longo processos de intemperismo e lixiviação dos elementos mais móveis, não em um substrato composto por perlita, turfa e húmus. E medidores de EC realmente não dizem o que tem ali, só a concentração relativa, mas é válido pra acompanhar se a água de torneira que você tá usando tá vindo mais pesada ou não, já que tem muita alteração desde a fonte, inclusive no tratamento com cloro, que tbm pode ser prejudicial pras plantas.. Numa hora você diz que medir o run off não é parâmetro pra nada, na outra você fala pra fazer o teste do EC da turfa medindo o run off. Se decide, mano hahaha. Realmente o run off não é um parâmetro preciso, mas fornece informações indiretas que podem auxiliar muito na hora de um diagnóstico, tanto pra pH quanto pra EC.
  8. 2 points
    seria bom sim acompanhar pH e PPM, essa turfa inerte não solta quase nada para a solução do solo todos os nutrientes vão vir a partir da solução da rega. Fora que provavlemente o seu solo tem muita pouca vida, com as adubações quimicas a decomposição dessa turfa talvez fique mais lenta ainda..
  9. 1 point
    Ta rolando muita cofusao no forum principalmente por parte de iniciantes e growers intermediarios!! Sem mais delongas, vamos aos fatos!! To cansado de ver gente com o seguinte setup: Humus Turfa Perlita Fibra de coco E a pessoa comprando phmetro e condutivimetro!! 😱😱😵😵 Se vc trabalha com materia organica no substrato, os seus nutientes estao nos Coloides!!!! E vc nao consegue alterar facilmente o pH. Que no caso de solos é medido pela quantidade de Hidrogenio+Aluminio adsolvidos nos coloides... É completamente diferente do caso da Hidroponia, que utiliza substrato 100% inerte, onde os nutrientes estao dispersos na solução a disposiçao das plantas e ai sim pH, condutividade da solução, dureza da agua, td isso vai interferir no cultivo.. Mais em HIDROPONIA!!!!!! Falou em materia organica no substato esquece o pH, a nao ser que mande para um laboratorio de analise de solo, essas "leituras" de run off nao valem NADA, vc nunca vai saber o verdadeiro pH e a disponobilidade de nutrientes..pHmetro de mercado livre entao, nao vale NADA.. Falou em Materia organica, terra vegetal, turfa falou em Troca Cationica.. Os conceitos da hidroponia nao se aplicam aqui.. Apenas corretivos como calcario irao alterar o pH do solo, aguinha de torneira, chuva e bla bla altera em nada durante o ciclo.. Vai levar anos e anos.. a nao ser q seja uma agua extramamente acida.. e na torneira nao se axa isso, muito menos em poços..muito raro ,dependendo da regiao uma chuva acida no ano pode sim causar prejuizos. Mais com esses setup o pessoal ta jogando agua mineral, querendo nutrir com adubo foliar e pra cagarw tudo quer fazer leitura da soluçao,medir pH, EC e pra finalizar a cagada leitura de run off!! Kkkkkkk Gente. A nao ser que seu subtrato seja 100% eu disse 100% inerte parem de se preocupar com EC, pH e Dureza da água!! Isso é importante e indispensavel para a HIDROPONIA, se por humus e/ou terra vegetal e/ou turfa e etc esqueceee tudo isso!! Eh so aparecer uma planta c a pontinha e/ou borda da folha queimada (deficiencia de potassio) no periodo vegetativo e adivinha quem é o culpado?!!! 90% dos problemas que vejo aqui no Forum são taxados como Overfert ou pH, sendo que na verdade essas plantas estao morrendo é de FOME!! Lembrem-se!! Menos é mais!! Fica aqui meu desabafo e indignaçao e que comece o debate!! Pazz!!!
  10. 1 point
    salve salve galera do growroom!!! estou aqui pra trocar experiencias com os muitos usuarios presentes. pretendo no proximo cultivo melhorar nas tecnicas e sementes usadas para obter melhor resultado. fiquei apaixonado pelo cultivo da cannabis, o resultado final foi satisfatorio. FUMO PRENSADO NUNCA MAIS! sem mais conversa, vamos ao cultivo: meu primeiro cultivo foi de sementes de prensado, colocadas pra germinar direto na terra. substrato feito com terra adubada, humus de minhoca e fibra de coco. no inicio as plantas ficavam indoor, mais por problemas pessoais fui obrigado a colocalas outdoor e posteriormente em guerrilha! tudo começou com uma brincadeira, achei q nao nasceria a semente q coloquei na terra.. mais ai... a felicidade começando a surgir 3 bebezinhos a mocinha crescendo! o primeiro grow, improvisado com tabuas de mateira e maderite a situação começando a melhorar, apos algumas pesquisas aq no forum.. refletor 400w !!! depois de alguns meses...as 3 FLORINDO, um sacudo! 2 femeas! problemas tecnicosss... meninas outdoor! percebi uma mudança nas folhas, ficaram mais "cavadas" apontando pra cima. elas adoram a natureza. a luz da lua influencia bastante tbmm... algumas amarras... ACIDENTES ACONTECEMMM... agora depois q as meninas foram pra guerrilhaa... alguns intrusos (q por sinal levaram quase metade de uma planta) e apos mto trabalho ... A COLHEITA! secando curando e por fim, o test driveee!! haha
  11. 1 point
    Normal,deixa assim que ela vai procurar a luz,EA raíz vai em busca do solo
  12. 1 point
    @Agrowgreen Eu preciso medir o ph da solução de rega pelo menos ? Uso solo vivo tbm, composteira, fungos, nitrificantes, mulch .... Outra coisa, vc falou um pouco a cima, que o cloro é o elemento de maior abundancia na planta ? Faz parte da clorofila ? Onde vc leu isso ? Pelo que li em aula (biologia ^^) nenhuma das 6 moléculas de clorofila tem cloro, não é pq tem cloro no nome que tem o elemento. Por isso minha duvida
  13. 1 point
    Bom dia, cara gostei bastante desse debate sobre a erva =D Informação boa sempre é válida. Estou para começar meu grow esse final de ano, e sempre vi mesmo muitas pessoas usarem esse setup de 50 Turfa + 50 Perlita e tratarem ele como inerte. Acho que se alguém fizer um runoff com essa configuração e sair PH diferente poderia compartilhar a marca pelo menos para eu não comprar. Mas o setup que decidi fazer seria igual ou parecido com que o @Bahseado citou: Ou seja: 45% Turfa 45% Perlita 10% Húmus. To querendo comprar dessa marca LUPA o substrato. Diz vir com PH 6,0. Sendo o húmus para dar aquela primeira injeção de Nitrogênio no solo, depois iria calibrando com fertilizantes da Biobizz de acordo com a necessidade. Vocês acham que esse setup esta ultrapassado já? Ou não serve? Na minha opinião até agora acho super válido fazer com ele. Até porque vai ser meu primeiro grow. Acho super válido esse flush 1 semana antes de ir para flora, creio que dê uma limpada no solo e nesses nutrientes e substâncias que ficaram. Agora a minha dúvida é na rega, se o PH da água da torneira/filtro sair 8, ou mesmo acima de 6,5 o que devo fazer? Deixar ela descansando 48h abaixa o PH? O que vocês recomendam? Obrigado pela attention. =D
  14. 1 point
    Boa tarde @GrowValley Pelo o que já pesquisei, apartir do terçeiro nó já pode passar a planta pra floração, se suas plantas estão crescendo em 12/12 já já mostra o sexo e começa a florir. Ou pras suas marias crescerem mais, assim que colher a que esta em flora, passe pra o fotoperiodo de 12/12 pra 18/6 que ela volta pro vegetativo.
  15. 1 point
  16. 1 point
    😂😂😂 Good! Só não sentirem o cheiro ou pedir pra ir no banheiro 😂
  17. 1 point
    Aluminio é toxico e atrapalha o desenvolvimento das raizes, se for possivel evitar otimo. A poda de limpeza se faz mais na floração, não precisa tirar nada por enquanto, tirar folhas nesse momento vai diminuir a fotossintese.
  18. 1 point
    hihihi...aqui não é o FC, o cara ideal pra te dar todas as dicas é o @SantoSkywalker...use a força que ja ja ele aparece....outro lugar legal pra vc ter informações sobre este vape é no youtube canal Vapor barato que é do santo homem tb....te
  19. 1 point
    @Agrowgreen Mano, to usando Solo quase inerte, Turfa de Spaghnum, Perlita, Vermiculita e Fibra de Coco... To usando pra regar uma agua mineral que é 3 reais 5L, ela tem o Ph 6.74 ta de boa?
  20. 1 point
    Bom dia irmão ! Obrigado pelas respostas, tanto @tikones quanto vc Vlw tb a galera que manja muito e perde um tempo escrevendo e compartilhando com a gente que anda meio perdido aqui e ali hahahah Estou nesse exato momento passando por isso que vc acabou de escrever @Agrowgreen "...o fato dela acumular agua nao quer dizer que va interferir. O problema é que ela vai reter também soluçoes velhas, a qual tem um poder tamponante baixo. E ai começa a dor de cabeça!! " A hora que eu li essa frase confirmou minha desconfiança sobre PH. Quando comprei a turfa desconfiei, mas reguei ela num vaso novo e o ppm de entrada foi exatamente o de saída. Mas oq ta rolando agora após as aplicações de fert é flutuação de ph, eu tenho usado um phmetro da akso ak90 eu calibro ele sempre antes de fazer as misturas, foi o máximo que pude pagar num phmetro, fui atrás dos de bancada mas depois de ver o preço desisti, guardo ele sempre na solução recomenda e tal, tento cuidar o máximo que posso. Esses dias fiz uma rega 6.3 quando medi o runoff apontava 5.7, ou seja, a solução que ficou armazenada na turfa "inerte" alterou completamente o PH certo ? Pq as plantas apresentaram problemas, tão passando uma fome e tenho quase certeza que o ph ta zicando a parada pq em teoria a quantidade de fert que to aplicando era pra estar ok. Sempre usei mix 6 da sunshine tive alguns problemas durante os ciclos, mas nesse ciclo com essa turfa inerte e perlita to apanhando e n to vendo direito da onde ta vindo os socos hahahha. Vou procurar sobre esse produto LI 700 !
  21. 1 point
    Irmao. Usa a cabeça. Se a fumaça ficar aí dentro eh óbvio que vai ser dissipada por baixo da porta, pelos ralos, por onde for. Coloca uma toalha em baixo da sua porta, e deixa TODAS as janelas abertas. Se tiver ar condicionado taca ele no turbo enquanto vc fuma que ele “pressuriza” o ambiente empurrando o ar antigo para as saídas das janelas. Assim pelo menos não sai pro corredor por baixo da porta, nem da pra ter certeza que eh seu o cheiro
  22. 1 point
    Da hora, baixei a trilogia em epub já aqui, parece promissor! nutrients, fungi e microbes
  23. 1 point
    E reafirmando o que o @Agrowgreen respondeu sobre isso, fertilização mineral (ou química, como costumam chamar), não atrapalha o desenvolvimento de microrganismos e não sei da onde o pessoal tira isso. Num laboratório, quando fazemos o cultivo de bactérias, por exemplo, a composição do meio de cultivo dessas bactérias nada mais é do que um fertilizante com elementos em proporções diferentes do que os que seriam utilizados pra uma planta. A gente pega água deionizada e adiciona vários sais pra compor esse meio de cultivo de bactérias, da mesma forma que pra compor um fertilizante mineral a gente adiciona vários sais com as proporções desejadas praquela cultura específica. Alguns meios de cultivo de microrganismos podem até ser utilizados diretamente em plantas, mas aí tem que tomar cuidado pq geralmente eles levam NaCl na composição e isso não é interessante pra planta.
  24. 1 point
    Não foi isso que eu quis dizer não, mano. Todos os solos brasileiros são velhos sim, tudo o que tinha de bom já foi lixiviado, sobrando só os íons que você citou e tem menos mobilidade, acidificando o solo. Só quis lembrar que quando a gente tá falando de turfa, humus e perlita eu acredito que esse conceito não se aplique porque nenhum desses produtos é diretamente derivados desses solos depois de todo o processo de intemperismo! Não quis dizer que os nutrientes se transformam e somem, mas por ex, você monta um solo com 50% perlita, 40% turfa e 10% humus, só pra dar aquela segurada nas primeiras semanas sem ter que fertilizar. Em pouco tempo, se você não adicionar mais nenhuma fonte de nutrientes, rapidamente tudo o que tá ali naquela mistura é consumido e sua planta vai passar fome. Nesse momento, acho muito mais seguro pensar num esquema hidropônico, utilizando o que restou no vaso apenas como "suporte", como se fosse a argila expandida que o pessoal usa pra dar estrutura pras plantas em hidro. É claro que vai ter mais nutrientes vindos da solução com ferts que vão se adsorver, mas a maioria ainda fica em solução, e nutrientes em solução também são prontamente disponíveis pra difusão. Com o tempo esse seu substrato pode acumular muito de um ou outro nutriente e ficar uma merda mesmo, por isso eu gosto de fazer uns flushs no meio do ciclo, principalmente entre vega e flora, geralmente com algum produto que consiga deslocar o que tá acumulado ali.. não tenho feito nos últimos ciclos mas costumava tentar simular a fórmula desses produtos desenvolvidos pra flush, que agora se não me falha a memória são basicamente compostos por Mg, S e uns açúcares em baixa quantidade. Claro que também tem que tomar cuidado pra não usar isso no meio do cultivo se não quiser carregar a porra toda com Mg, mas sigo mais ou menos nessa linha. E com certeza o medidor de pH do ML é uma porcaria! Mas infelizmente é o que tem pra hoje. Também acho mais seguras as fitinhas, mas tbm acho um saco usá-las hahaha. Se todo mundo pudesse ter um pHmetro de bancada tava legal! No geral eu até concordo com as suas ideias, só acho que tem alguns conceitos aí que precisam se distanciar um pouco da visão acadêmica de um agrônomo, onde você provavelmente teve tudo voltado a grandes plantações e sistemas de solo diferentes do que são utilizados num sistema pra cannabis. E muda bastante coisa, então muito do que a gente vê lá não se aplica, ou se aplica com algumas ressalvas. Também acho que o pessoal acaba complicando demais as coisas por aqui, cada mistura que o pessoal faz, mas isso também é fruto da proibição, a informação tá começando a avançar mais agora. Também acho que o caminho seja o equilíbrio e a agroecologia, mas os passos ainda são lentos. Agroecologia é algo "relativamente novo" até pras culturas tradicionais, quanto mais pra cannabis.. Mas tem um ponto importante aqui que eu preciso corrigir, então cuidado com as suas afirmações sendo que sua proposta é desmistificar um assunto que pouca gente domina. Dizer que clorofila tem cloro, apesar de intuitivo pelo nome, é um erro grande. O que você tem de "diferente" na molécula de clorofila é Mg. O nome com "cloro"fila vem de outra língua e só quer dizer "planta verde", nada com cloro.
  25. 1 point
    Fala bicho, blz? Então, o no-till é basicamente o uso de tecnicas pra não ter que revirar o solo. O que eu faço aqui é um solo vivo onde uso algumas praticas do no-till apenas. O plantio direto na palha vai mais pro lado do "one straw revolution" do livro do Fukuoka, mas o no-till da uma passada por aí sim. Eu só acho que pra voce efetivamente se beneficiar da micro-fauna vc nao precisa de todo esse equipo. Tem bastante literatura pratica, uma que super funciona, tem metodos testado com o tempo e em grandes fazendas de mono e policultura é o KNF, que está tão na moda. Mas é show. Tem outras práticas tbm que andam de mãos dadas, nos mesmos parâmetros. Claro, equipo é super bem vindo, sempre. Mas tem muita coisa que dá pra fazer sem. Eu não to falando que tu tá errado mano, mas é naquelas né. A teoria da gravidade eram leis. Até descobrirem que se mudam alguns parâmetros essas leis deixam de ser efetivas. Não que elas vão cair em desuso ou estão erradas, mas as coisas funcionam de maneira diferente se vc mudar os parâmetros... Vi que pelo visto vc estuda/trabalha na área. Dá hora! Deixa eu te perguntar, tu conhece a dr. Elaine Ingham?? Que desenvolveu o conceito de food soil web? Essa mulher é cabulosa mesmo. Mudou os parametros da produção orgânica. Depois o Jeff Lowenfels é outro cara que pra gente interessa muito. O pessoal da tua área lê essa galera? Eu pago um pau pra eles, hehhe, se não conhece eu recomendo de mais. Mas voltando ao pH. Eu entendi o lance da terra. Mas e pra chas aeróbios? Quando for aplicar, ajusto o pH pra estar mais disponível? Senti que quando ajustei tive melhores resultados.... Abraço mano!
  26. 1 point
    Então man, a questão é que planto também kk, não queria me desfazer das plantas mas se não tiver o que fazer vou ter que... Mano já to dando uma olhada nos vap e pensei em comprar um assim (https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1068106708-twisty-glass-blunt-v12-7pipe-vaporizador-de-ervas-airistech-_JM ) o que tu me diz será que esse não deixa cheiro também? Foda que agora até minha mina ta querendo parar de fumar por causa dessas tretas mano, que ódio kk, mas valeu pela força ai man tmj!
  27. 1 point
    @Malucobao cara, tambem não vi saco ainda, pode ser somente um 'calo' causado pela poda. Ignore o topo ai, e acompanhe o restante da planta, se for macho, vai nascer saco nos outros nós tambem.
  28. 1 point
    @Mike LitorisLitoris irmao bom dia! Boa parte da sua resposta esta acima!! Esqueci de mensiona-lo.. Mais reafirmando, eu particularmente desconheço turfa inerte.. Mais SOMENTE qnd a gnt fala em substrato 100% Inerte é que devemos utilizar pHmetro e condutivimetro!! Se realmente for INERTE ai sim que vc vai precisar fazer estas leituras diariamente!!! E ter um senhor pHmetro.. Por incrivel que pareça a fita para medir pH eh muitoo superior aoo pHmetro amarelo do M.L... As veses eu sou meio radical kkkk mais ele é uma bosta, te da um parametro, des de que ajuste entre uma aferiçao e outra.. Se a empresa que te vendeu alega que essa turfa nao tem coloides e nao retem nutrientes (100% inerte), entao o fato dela acumular agua nao quer dizer que va interferir. O problema é que ela vai reter também soluçoes velhas, a qual tem um poder tamponante baixo. E ai começa a dor de cabeça!! Pode ver se quem mexe com Coco sofre tanto assim com alterações de pH. Tem um produtim chamado LI 700 ele é um tamponante extremamente forte. Procure por ele, vai te ajudar muito.. Isso se essa turfa for inerte, o que duvido muito!! Se for vc tem que começar a pensar em um tamponante muitooo fortee.. SE FOR INERTE!! Realmente o que deve estar ocorrendo é isto.. A turfa esta retendo a solução antiga, a qual ja sofreu alterações quimicas e esta inflienciando em suas leituras. Se quer seguir este caminho tente levar o proximo cultivo no coco.. Ai td isso que vc leu a respeito de pH, ppm passará a fazer sentido!!
  29. 1 point
    Também acredito que o caminho para os growers ta na agroecologia. Pode ser dificil pra gente produzir uma estirpe de alguma bactéria isolada para aplicar no solo, mas podemos fazer do uso de bio-ferts e condicionadores com uma carga microbiologica fudida, com certeza aumentando a vida no solo vai dar espaço pras solubilizadoras de fosforo, micorrizas e as controladoras de patogenos prosperarem, na contra-mão da adubação quimica que pode até não dizimar a vida no solo, mas com certeza não está associada ao fomento da vida, mas como vc disse a gente mal sabe que organismos estão ali, muitos podem estar sendo inibidos ou suprimidos..
  30. 1 point
    “Aparentemente” não mostrou o sexo ainda
  31. 1 point
    Galera, pesquisei e pesquisei e não achei nenhum tópico falando completamente de uma famosa "madre" e nem explicando como fazer ou como é, como criar e de onde vem. To com uma planta pequena de 30 dias que a poda FIM vingou no quarto nó, tá vindo os 4 broto aí, tem como já criar uma madre com essa planta? Alguém tem um conteúdo aí bom pra passar?
  32. 1 point
    Então quer dizer que nem as turfas inertes são de fato inertes ao longo do cultivo ? A pouco tempo comprei um mix na growplant de 50% turfa inerte 50% perlita, chegando em casa separei o mix num vaso e medi o ppm da água da torneira de entrada e o ppm da água de saída e foi exatamente o mesmo valor, o ppm que a água tinha antes de entrar foi o mesmo que saiu no runoff. Minha pergunta é ao longo do cultivo essa turfa que era "inerte" deixa de ser conforme vai recebendo fertirrigação por conta da retenção de água que a turfa tem ? Deixando de lado o sunshine mix 6 que tem carga inicial ou solo com humus matéria orgânica, somente turfa inerte + perlita não necessita de fato medir ppm e ph ? Vlw irmão abração, ótimo tópico na real !
  33. 1 point
    Cara, eu fui colocando ate o pH chegar a 6.4 gota em gota. Em um galão de 5 litros de água
  34. 1 point
    Aeee turminha, bom dia! Que saudade da casinha, sumi pois a tristeza tinha tomado minha mente, mas graças a paciência e um pouco dos pés no chão, a minha vida voltou ao normal. Espero voltar a cultivar muito em breve, estou somente procurando algum fornecedor de genéticas boas, e procurando um sistema hidro bacana, alguém tem algum sistema hidro para indicar? Vou estudar melhor os sistemas!
  35. 1 point
  36. 1 point
    amigo qual é a terra q vc está usando ? eu estou desde maio tentando cultivar no carolina soil e perlita , mas elas amarelam e secam tb . ja tentei todas as medidas de ph para ver se melhora , mas nao tem jeito , sempre depois do terceiro par de folha começam estes sintomas . sobre o ph , eu disse todas as medidas pq se derrepente o solo está muito alcalino , tipo 7,5 eu regava com ph 5 ou tb ja inverti , usei a soluçao com ph acima de 7 para ver se reagiam por talvez o solo estivesse acido . tambem ja deixei com muita sede , tipo 10 dias sem rega , mas nao tem jeito . usei peters 301010 , bio grow , agora comprei o flora series da gh .vou levando estas até elas aguentarem , depois vou partir para o cultivo só na vermiculita .Este substrato eu ja usei a muitos anos atras e foi o unico substrato que deu certo para as plantas crescerem e se desenvolverem, tive resultados excelentes usando peters e vermiculita com argila expandida no fundo . Os vasos eram de garrafa pet eu tive impressao tb de ser fome das plantas pq a medida que iam nascendo por cima elas amarelavam e secavam nas folhas debaixo , aí eu aumentava um pouco o ec mas piorava tudo .
  37. 1 point
    BlueBerry x Velvet bud.
  38. 1 point
    Eu e minha mulher gostamos de transar chapados. Primeiro: não sinto diminuição da libido! Pelo contrário, quando rola um clima o desejo é potencializado. E estando ambos chapados, me parece que há uma sintonia maior. O sexo é mais prazeiroso. É uma das principais qualidades que vejo na erva: sintonizar. Para mim: maconha + sexo = realização
  39. 1 point
    Temperatura do Solo Importância da temperatura do solo. A temperatura do solo é um dos fatores mais importantes para o desenvolvimento das plantas. O solo, além de armazenar e permitir os processos de transferência de água, solutos e gases, também armazena e transfere calor. A capacidade de um solo de armazenar e transferir calor é determinada pelas suas propriedades térmicas e pelas condições meteorológicas que, por sua vez, influenciam todos os processos químicos, físicos e biológicos do solo. A atividade microbiológica poderá ser interrompida, as sementes poderão não germinar e as plantas não se desenvolverem, se o solo não se apresentar dentro de uma faixa de temperatura adequada para a manutenção dos processos fisiológicos envolvidos. As propriedades físicas da água e do ar do solo, bem como seus movimentos e disponibilidade no solo, além de muitas reações químicas que liberam nutrientes para as plantas, são influenciados pela temperatura do solo. Ademais, o calor armazenado próximo da superfície do solo tem grande efeito na evaporação. As propriedades térmicas do solo e as condições meteorológica, portanto, influem no meio ambiente das plantas. Os processos de transferência. Os processos de transferência de calor no solo podem ocorrer por condução e convecção, com ou sem transferência de calor latente. A temperatura do solo é conseqüência desses processos e das trocas de calor entre a superfície do solo com a atmosfera. Nas trocas de calor entre a superfície do solo com a atmosfera, além dos processos de condução e convecção, ocorre, ainda, mais um processo: a radiação. A radiação é o único processo de transferência que pode ocorrer no vácuo porque nesse processo a energia ocorre por ondas eletromagnéticas. A condução ocorre pela transferência de energia térmica de uma partícula para outra e é geralmente o processo mais importante de transferência nos solos. Esse processo é governado pelas propriedades térmicas do solo, que por sua vez são tremendamente dependentes da umidade do solo. A convecção ocorre pelos fluidos em movimento (fluxo de massa) e é geralmente o processo mais importante de transferência de calor nos solos úmidos. Propriedades térmicas dos solos. A quantidade de calor que pode ser transmitida por condução no solo depende: (a) da propriedade do meio em transmití-lo, ou seja, da sua condutividade térmica, que é a quantidade de energia térmica que o solo pose transmitir por segundo a uma distância de 1 metro, quando a diferença de temperatura nessa distância for de 1k (lê-se um Kelvin); e ( da quantidade de energia térmica que uma massa ou volume de solo armazena antes que a sua temperatura se eleve (calor específico). O calor específico é a quantidade de energia térmica que 1kg ou 1m3 de solo necessita para aumentar a temperatura de 1k. Em outras palavras, o calor específico do solo reflete a sua capacidade de atuar como um reservatório de calor, enquanto a condutividade a sua capacidade de transmitir calor. Conseqüentemente, o tempo requerido para um determinado solo aumentar ou diminuir a temperatura depende de como o calor é transmitido e do calor específico de cada fase constituinte (solida, líquida e gasosa). O efeito das coberturas protetoras. As coberturas são capazes de modificar o regime térmico dos solos, tanto para aumentar quanto para diminuir a temperatura. Essas coberturas podem ser constituídas de materiais de diferentes espessuras e propriedades térmicas. Mesmo que cada uma delas se comporte de maneira distinta, pode-se predizer como isso ocorre. Capas secas de areia sobre a superfície do solo, por exemplo, experimentam uma baixa condutividade térmica e alto coeficiente de reflexão (albedo). Por isso, haverá (a) uma redução da amplitude de variação da temperatura abaixo da capa, ( uma prevenção das perdas por evaporação, já que a condutividade hidráulica na cobertura também diminui, e (c ) uma maior variação de temperatura na cobertura (ainda que o coeficiente de reflexão seja alto) porque a condutividade térmica é baixa. Materiais com grande quantidade de ar originam coberturas com temperaturas mais amenas no solo. Por isso, as coberturas de matéria vegetal também isolam eficazmente e reduzem a magnitude das oscilações diárias da temperatura do solo. Da mesma forma, a superfície seca dos solos arados e gradeados também pode manter a temperatura do perfil de solo mais uniforme do que se ele fosse compactado, ainda que a variação na superfície aumente. Mas logo que essas coberturas sofrem compactação, sua condutividade térmica aumenta e elas perdem sua eficácia. Solo com temperatura controlada, produz mais e melhor. Muitas técnicas e alternativas de manejo do solo já foram e estão sendo empregadas e comparadas, afim de se minimizar os impactos das altas temperaturas dos solos tropicais. As coberturas protetoras desempenham importante função na agricultura porque podem modificar as variações de temperatura no interior do solo, particularmente próximo da superfície, podendo alterar consideravelmente o ambiente para o desenvolvimento da flora e da fauna do solo. Portanto, é fácil poder-se admitir que é possível produzir mais e com melhor qualidade, se houver atenção com a qualidade física dos solos, promovendo-se condições para uma adequada temperatura do ambiente radicular das plantas, já que a temperatura do solo é um dos cinco fatores essenciais à produção de qualquer espécie vegetal. Fonte:http://estudonline.tripod.com/temperat.htm []'s
  40. 1 point
    Galera, seguinte... Agora e meio tarde pro Loko MSC, mas tem uma receitinha natural que acaba com qualquer formigueiro na area. antes, antes de comecar o plantio, compre sementes de gergelim e plante por toda a area onde vais plantar futuramente seu pe. quanto o gergelim tiver com uns 5-10cm, plante o pe bem no centro da area dos gergelins.... a formiga corta e leva o gergelim pra dentro da toca,(elas adoram gergelim, pq nao sei...) Só q as formigas nao comem as folhas q elas cortam, e sim levam pra um reservatorio dentro do formigueiro onde, la, as folhas mofam, e esse mofo serve de comida para os pulgoes, q secretam um açucar, que é o alimento das formigas cortadeiras. E onde entra o gergelim? Existe um agente na composicao do gergelim, que deixa inviavel a formacao do mofo, e assim, nao ha comida para os pulgoes, q por sua vez, morrem e nao tem comida pras formigas, levando o formigueiro à um colapso, e matando, ou fazendo com q a rainha se mude de lugar, levando embora todo o formigueiro. Dica dum camarada q e agronomo e pesquisador de maneiras alternativas de combate a pragas....