Ir para conteúdo
Growroom

Leaderboard

Popular Content

Showing content with the highest reputation on 05/16/13 in all areas

  1. Açougueiro alimenta porcos com maconha para criar carne mais saborosa Autoria: Folha.com.br em 15 maio, as 23:45 Em Brasil fonte:http://www.boainformacao.com.br/2013/05/acougueiro-alimenta-porcos-com-maconha-para-criar-carne-mais-saborosa/ Açougueiro alimenta porcos com maconha para criar carne mais saborosa 15/05/2013 – 23h01 Um açougueiro de Seattle, nos EUA, resolveu inovar na carne que vendida em seu estabelecimento. William von Schneidau oferece em seu estabelecimento carne de porcos alimentados com maconha. Até o momento quatro animais foram alimentados com uma versão medicinal da planta e todos apresentaram um ganho de peso maior que a média. Os primeiros consumidores desta iguaria puderam provar a carne em um jantar que ocorreu em março deste ano. Segundo Schneidauos, os relatos foram que a carne era saborosa. Veja vídeo
    7 points
  2. imagina pegar umas costelinhas e pernis desse bicho, marinar com vinho branco, tomilho,cebola, alho e especiarias, assar na churrasqueira e servir acompanhado de umas stellas bem geladas e um molhinho verde..... e um pusta fumacê é claro! abriu a larica aqui hehe
    6 points
  3. Cannabis linked to prevention of diabetes Regular users of the drug found to have lower levels of insulin after fasting, research shows Smoking cannabis may prevent the development of diabetes, one of the most rapidly rising chronic disorders in the world. If the link is proved, it could lead to the development of treatments based on the active ingredient of cannabis, tetrahydrocannabinol (THC), without its intoxicating effects. Researchers have found that regular users of the drug had lower levels of the hormone insulin after fasting – a signal that they are protected against diabetes. They also had reduced insulin resistance. Cannabis is widely smoked in the United States with over 17 million current users of whom more than four million smoke it on a daily basis. In the UK latest figures show 2.3 million people used cannabis in the last year, but the numbers have declined in the last decade. Two US states have recently legalised its recreational use and 19 others have legalised it for medical purposes by patients with one of several conditions including multiple sclerosis and cancer. THC has already been approved to treat the side effects of chemotherapy, nausea in cancer patients, anorexia associated with AIDS and other conditions. The study involved almost 5,000 patients who answered a questionnaire about their drug use and were part of the National Health and Nutrition Survey between 2005 and 2010. The results showed almost 2,000 had used cannabis at some point in their lives and more than one in 10 (579) were current users. Only those who had used cannabis within the past month showed evidence of protection against diabetes, suggesting that the effects wear off in time. Current users of the drug had 16 per cent lower fasting insulin than those who had never used the drug. Murray Mittleman, of the Cardiovascular Epidemiology Research Unit at the Beth Israel Deaconess Medical Centre in Boston, and lead author of the study published in The American Journal of Medicine, said previous studies had shown lower rates of obesity and diabetes in marijuana users. Two previous surveys had also shown that although cannabis users consume more calories they have a lower body mass index. The mechanisms underlying this paradox are unknown, the authors say. Joseph Alpert, professor of medicine at the University of Arizona College of Medicine, Tucson, and editor in chief of the journal, said: “These are remarkable observations that are supported by basic science experiments that came to similar conclusions. “We desperately need a great deal more basic and clinical research into the short and long term effects of marijuana in a variety of clinical settings such as cancer diabetes and frailty of the elderly.” Almost one in 20 adults in the UK has diabetes, of which 2.6 million are diagnosed and 500,000 are undiagnosed. Rates are rising in this country and around the world, driven by Western lifestyles, and the number of cases is expected to exceed 4 million in the UK by 2025. The illness increases the risk of heart failure, kidney failure, and death – and is one of the biggest health challenges facing the UK. http://www.independent.co.uk/life-style/health-and-families/health-news/cannabis-linked-to-prevention-of-diabetes-8616314.html
    6 points
  4. Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / As origens do vício Sociedade Entrevista - Gabor Maté As origens do vício Segundo especialista, sociedade reprime e encarcera seus dependentes para evitar que outros sigam seu exemplo por Flávio Lobo — publicado 14/05/2013 15:52 Nenhum comentário e Nenhum comentário Arquivo Pessoal o médico canadense Gabor Maté Leia também Angelina Jolie revela que retirou as duas mamas para reduzir risco de câncer OMS admite que novo coronavírus pode ser transmissível entre humanos Nascido na Hungria, numa família judia, durante a ocupação nazista, o médico canadense Gabor Maté é um sobrevivente do Holocausto. Seus avós maternos foram mortos em Auschwitz, e ele passou seu primeiro ano de vida em um gueto. Décadas depois, radicado no Canadá, teve de lidar com sua própria tendência para comportamentos compulsivos – trabalho e compras eram suas drogas favoritas – e foi diagnosticado com transtorno de déficit de atenção (TDA). Médico especializado no estudo e tratamento de vícios e TDA, Maté compreende esses distúrbios como “sintomas” de problemas anteriores, gerados por condições sociais e psicológicas, que influenciam o desenvolvimento cerebral. Teórico reconhecido internacionalmente, com grande experiência no tratamento de dependentes, é autor de quatro livros sobre seus temas de pesquisa, um deles, “Pais Ocupados, Filhos Distantes”, foi publicado no Brasil pela Melhoramentos. Em seu último livro, “In The Realm of Hungry Ghosts: Close Encounters With Addiction” (No reino dos fantasmas famintos: contatos Imediatos com o vício) e nesta entrevista, Maté joga luzes sobre a questão dependência de drogas que podem ajudar a esclarecer problemas e políticas públicas que o Estado brasileiro se propõe a enfrentar e implementar. CartaCapital: Quais são os principais “mitos” que dificultam a compreensão do fenômeno do vício? Gabor Maté: Em geral, a sociedade vê o vício de duas formas predominantes. Numa dessas interpretações, o vício é um escolha que as pessoas fazem, simplesmente uma má decisão individual. O que a sociedade tende a fazer, nesse caso, é criminalizar essa “escolha errada”. Reprimindo e encarcerando os dependentes de drogas ilícitas, a sociedade os pune por seu suposto erro e tenta evitar que outros sigam seu exemplo. A segunda visão mais comum sobre o vício é a da predisposição genética, algo que as pessoas herdam de seus pais, uma característica biológica que as constitui desde a concepção. As duas explicações têm uma importante característica em comum: a ausência da dimensão social do problema. Nós, humanos, somos seres “bio-psico-sociais”. As condições psicológicas e sociais da nossa existência são decisivas para a realização e a modulação dos nossos potenciais biológicos. O ambiente e as relações sociais moldam a nossa biologia, especialmente o desenvolvimento cerebral. Cada cérebro humano é, em larga medida, um produto das relações psicossociais do indivíduo, sobretudo das relações mantidas e experiências vividas durante os primeiros anos de vida. CC: Existe, então, uma “neurologia do vício” produzida por condições psicológicas e sociais durante a infância? GM: Frequentemente, sim. Hoje sabemos que o desenvolvimento de circuitos cerebrais relacionados aos incentivos e à motivação, ao prazer, ao alívio da dor e ao amor – ativados pelos neurotransmissores dopamina e endorfina –, assim como dos circuitos que regulam nossos níveis de estresse e de intensidade emocional, depende muito das condições sociais, afetivas e cognitivas da primeira infância, especialmente dos primeiros três anos de vida, e até mesmo dos níveis de estresse da mãe durante a gravidez. Podemos comparar as variações no desenvolvimento desses circuitos neuronais ao trajeto de um rio. Quanto mais perto da nascente se coloca um obstáculo, maior a mudança no curso do rio. Quanto mais cedo a criança é submetida a altos níveis de estresse, indiferença, solidão, violência, maiores os prejuízos para o desenvolvimento desses circuitos, cujo mal funcionamento predispõe a problemas físicos e mentais, e ao vício. CC: Há evidências científicas do impacto dessas experiências traumáticas na infância, o desenvolvimento cerebral e o vício? GM: Quem trabalha com dependentes químicos acolhendo-os e escutando-os sabe que trauma e abusos na infância são uma constante em suas histórias de vida. E há, sim, fartas evidências científicas dessas relações de causalidade. Vou dar alguns exemplos. Filhotes de rato que não são lambidos por suas mães logo depois do parto têm seu desenvolvimento cerebral prejudicado. Como o acolhimento do humano recém-nascido pela mãe, para os ratos as lambidas pós-parto são, sobretudo, um ritual de vínculo. Dura só alguns minutos e tem efeitos para toda a vida. Nos humanos, alguns traumas precoces têm impactos tão importantes na química e estrutura do cérebro que é possível, por exemplo, identificar vítimas de abuso sexual na infância por meio de exames de mapeamento cerebral realizados décadas mais tarde. Meninas de quatro anos de idade com alto nível de estresse (medido pela quantidade de cortisol na saliva) chegam aos 18 com os mesmos tipos de alteração cerebral, também identificáveis por exames de imagem. Apenas analisando o eletroencefalograma de um bebê é possível saber se sua mãe está sofrendo de depressão. Filhotes de macaco separados das mães sofrem rápidas quedas de seus níveis de dopamina, hormônio da motivação. Cobaias geneticamente manipuladas para não desenvolver receptores de dopamina se alimentam quando recebem comida diretamente na boca, mas, se a comida é deixada a centímetros de distância, elas não tem motivação suficiente para se mover e comer, e morrem de fome. Para o desenvolvimento satisfatório dos circuitos da dopamina, os mamíferos, e sobretudo humanos, precisam de contato e laços sociais, suporte emocional, em ambientes suficientemente seguros e tranquilos. A mesma dopamina tem papel fundamental na química de muitos vícios. CC: Seria correto, portanto, dizer que o vício é uma forma de tentar compensar deficiências neurológicas preexistentes? GM: Sim, seria. Defino “vício” como qualquer comportamento – associado ou não a uma substância química – que dá prazer e alívio temporários, trás efeitos negativos a longo prazo e a pessoa não consegue largar. Pessoas que tiveram experiências traumáticas precoces frequentemente convivem com sofrimento, com dor emocional constante. De maneira geral, a dependência química se origina numa busca de motivação, prazer ou alívio de sofrimento que a pessoa não consegue sem a droga. Trata-se, na verdade, de automedicação. Quem recorre constantemente a cafeína, nicotina, cocaína, crack ou metanfetamina, por exemplo, está tentando aumentando seus níveis de dopamina. O problema é que, em geral, essa automedicação não resolve o problema, e, em muitos casos, tem graves efeitos colaterais. No caso da metanfetamina, por exemplo, o aumento dos níveis de dopamina é tão grande que faz com que o cérebro se proteja reduzindo o número de receptores de dopamina, reforçando a necessidade de mais dopamina, fechando o círculo vicioso. Se a pessoa para repentinamente de tomar a droga, seus níveis de dopamina ficam extremamente baixos e ela cai em depressão. O vício não é uma escolha moral errada nem resultado de determinação genética, é o sintoma de um problema anterior – o trauma e a dor que ele produz – e, ao mesmo tempo, uma tentativa de aliviar essa dor. Não é à toa que a maioria das drogas relacionadas ao vício, inclusive o álcool, são anestésicas. CC: Como ficam essas pessoas no contexto da Guerra às Drogas? GM: Como não é possível enfrentar objetos inanimados nos campos de batalhas, a guerra é feita contra usuários de drogas e, sobretudo, contra os dependentes. Agora imagine o resultado de políticas que marginalizam, criminalizam e punem pessoas cujo problema fundamental é o excesso de dor e sofrimento. Qual é a racionalidade disso? Claro que não funciona. O que se produz é a continuidade de experiências traumáticas, que são as causas do vício. O problema dos dependentes e da sociedade só se agrava. Eu conheci um dedicado policial em Toronto, no Canadá, que trabalhava no combate à exploração de crianças pelo mercado criminoso de pedofilia online. Ele me contou que a pior parte do trabalho era ver a expressão das crianças nos vídeos pornográficos. “Os olhos delas estão mortos”, ele me disse. É claro, quando o fluxo emocional é doloroso demais, insuportável, a desconexão profunda é o único jeito de sobreviver. Eu lhe disse que a terrível ironia da situação era que, se futuramente ele fosse transferido do departamento de combate a crimes sexuais para o de combate às drogas ilícitas, iria ter de perseguir e prender as mesmas pessoas que tanto havia se esforçado para proteger. Com a minha experiência profissional, eu podia lhe garantir que grande parte das crianças violentadas se tornaria dependente de drogas pesadas. É isso que as políticas de drogas baseadas na criminalização e repressão fazem: perseguem e punem gente que está tentando anestesiar a dor que sente. CC: Qual é, então, a melhor alternativa? GM: A boa notícia é que é possível romper o círculo vicioso de dor, vício, marginalização, repressão, violência, mais dor e mais vício. Com acolhimento, respeito, contato, afeto, tratamento baseado em evidências científicas, as pessoas melhoram e muitas conseguem largar o vício. Mesmo as mais traumatizadas, e em qualquer idade. Mas para isso é preciso realmente se guiar pelo conhecimento científico e pelas evidências empíricas. Nada do que eu lhe disse é controverso entre os verdadeiros especialistas, aqueles que estão realmente gerando conhecimento relevante sobre o assunto atualmente. Mas muitos médicos, infelizmente, reproduzem visões preconceituosas e mal informadas. E não só os médicos, também os sistemas judiciário e carcerário – e, em alguns aspectos, a economia e a sociedade em geral – parecem desenhados para produzir e multiplicar vícios e pessoas que precisam recorrer constante e compulsivamente a alívios temporários. Pode ser sexo, internet, compras, jogos, exercícios físicos, trabalho, dinheiro ou heroína. Muitos desses vícios não são apenas tolerados, mas admirados, cultuados, fomentados... Enquanto outros são criminalizados. CC: Qual é a sua opinião sobre as mudanças na legislação brasileira sobre drogas ilícitas que estão sendo discutidas no Congresso Nacional, especialmente no que tange ao aumento da pena mínima para o tráfico e à internação forçada de dependentes? GM: Acho um equívoco enorme, na contramão do conhecimento científico e das melhores experiências internacionais. Se implementadas, essas medidas agravarão o problema. O Brasil é um grande país, que tem avançado em vários aspectos. Mas, neste momento e nesse campo, não oferece um bom exemplo para o mundo. Acho muito interessante como os chamados “países cristãos”, como os EUA e o Brasil, desprezam os ensinamentos do mestre que dizem seguir. Jesus não disse “não julgue para não ser julgado” e “antes de querer tirar o cisco do olho do seu irmão, preocupe-se com a tora no próprio olho”? Eu acho que deveríamos levar o cristianismo a sério. Para citar outro mestre, quando questionado sobre o que achava da civilização ocidental, Gandhi respondeu: “acho que seria uma ótima ideia”. Eu diria o mesmo do cristianismo. Seria uma excelente ideia. fonte: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/as-origens-do-vicio
    3 points
  5. Salve GR Então é amanha as 16:00 horas o julgamento do Rasta GTR ... Todos naquela corrente positiva as 16:20 a100d aquele ... espero voltar com a noticia de caçapava que a LIBERDADE cantou pro irmão nois família tamo junto Forte abraço JahBless
    3 points
  6. Se vc vai ingerir o óleo não existe problema nenhum, se vc vai fumar ele ai tem um gosto mais puxado em relação a um sem clorofila... Aqui como é pra ingerir a prioridade é extrair toda a resina da planta e com isso deixo mais no alcool e faço mais de uma coada, Costumo dar uma curada na erva, não por conta da clorofila em si, mais pra dar uma trabalhada nos cannabinoides... então ela vai com um pouco menos clorofila pra fazer o óleo que indo logo pós secar, msm assim tem bastante clorofila no meu óleo, que por sinal tb tem propriedades medicinais, dentre elas li não lembro onde o de oxigenar as células, o que é ótimo contra infecções e doenças como cancer que precisam de um ambiente pobre em oxigênio pra proliferar.
    3 points
  7. Que jantar saboroso heim? o que vi foi uma confraternização de alto nível regado a uma boa vodka e carne de porco orgânica. Essa é uma boa definição do nosso tão conhecido lema: DON'T PANIC IT'S ORGANIC Aqui no Brasil a Friboi podia inovar e alimentar seu gado com maconha da boa pra dar aquela larica nos bovinos, aposto que vários growers aqui no Growroom abririam rapidinho uma cooperativa para fornecer essa erva.
    3 points
  8. Das várias vezes que tive oportunidade de estar com o RAS, me lembro de uma em específico: Sai de Campinas e fui até sua chácara para trazê-lo a Campinas, na ocasião ele iria dar uma palestra na semana de debates promovida pelo Coletivo Delta9. Quando cheguei lá, estava meio que agitado demais, estávamos um pouco atrasados já e ele falou: - cara, relaxa, vamo tomar um suco! Ele foi até seu jardim, pegou algumas folhas de hortelã, gengibre e mais outras folhagens, bateu com algumas laranjas e me serviu. Depois de tomarmos o suco saimos, entramos no carro e ele perguntou se eu não gostaria de fazer um caminho alternativo, que de acordo com ele era mais bonito, tinha mais paisagens de natureza. Desencanei da anhanguera e fiz o caminho que ele indicou. Foram uns 40 minutos de uma viagem super tranquila, conversamos, fumamos um, rimos de nós mesmos porque nos perdemos um certo ponto do trecho. Quando ele chegou na Unicamp, fomos para a sala onde ele iria palestrar, ele então teve a idéia de fazer a palestra ao ar livre, fomos todos para a praça da paz (dentro da unicamp) e lá ficamos algumas horas e ele explicou todo seu entendimento e visão sobre a erva. Fumamos mais alguns e laricamos lá mesmo, todos. Essa foi a última palestra que ele deu antes de ser preso. Esse é o homem que o juiz está colocando atrás das grades por tráfico, associacao e formacao de quadrilha. perdi o animo pra escrever o resto.
    3 points
  9. Não acho que estejam dopando os porcos, os animais não comem nada da natureza que lhes faça mal, é o homem que os entuxa de engordativos. A alternativa é ótima e como o amigo Pe gordo disse, se estão dando maconha pros porcos comerem é porque está sobrando. Não acho desperdício, sobra porque é erva, cresce e se espalha fácil, a gente gosta tanto das "sem semilla" que esquecemos quantas sementes dá pra tirar num bud, não é mesmo? clonagem é pra jardinagem, a lei natural espalha as ervas pelas suas sementes. A gente pode usar para mantimento e isso inclui alimentar nosso gado. “Eis que vos tenho dado todas as ervas que produzem semente, [...] bem como todas as árvores em que há fruto que dê semente; ser-vos-ão para mantimento.” (Gen. 1:29).
    2 points
  10. Eu como um bom carnívoro gostei da ideia ... os principios ativos da canabis fica guardado na gordura animal (homem, porco, etc). Mas só os gringos que tem maconha extra para poder ate dar para os porcos ... rsss rsss
    2 points
  11. Essas enquetes são um desserviço à democracia. Pode-se votar infinitas vezes e fica parecendo um real indicativo do que deve ser feito pelos parlamentares, porém, 2 coisas: (i) não é pesquisa de opinião, mas enquete que pode ser facilmente fraldada e atua num universo muito limitado, (ii) leis e democracia não podem se tornar instrumentos de uma ditadura da maioria - a base de uma democracia é o respeito aos interesses das minorias e respectivas diferenças culturais da sociedade.... Parada escrota do caralho. Legislação não é eliminação do Big Brother!! Nota: votei umas 10 vezes... hehehe
    2 points
  12. Ae será que tem vaga pra ser porco nesse chiqueiro!!!! uahauhauhauhuauah!
    2 points
  13. Bem que poderiam ser os 'PORCOS FARDADOS' né? Assim eles ficariam mais 'de boa'...
    2 points
  14. Meu cartaz está em andamento! Chamo atenção do governo para os estudos que comprovam a eficácia da cannabis no combate a dores crônicas! É muito melhor do que usar morfina! É muito melhor do que passar pelo hospital todas as semanas! Eu tenho atestado médico para o uso! Essa burrice de proibir uma planta, proibir a natureza tem que acabar!... E LOGO! Estarei na marcha! 4:20! woo hoo! Um abraço a todos e Viva o VERDE!
    2 points
  15. falou tudo....huashuashuashuashuas mto bom....é esse tipo de notícia que a gente tem q espalhar...não adianta esperar a globo ou a record mostrar, pq não vão..... hora de ativismo.....enviar, colocar no face, imprimir....qualquer merda, por menor q seja, abrindo a cabeça de uma pessoa só q seja, já é uma grande coisa... mto bom....
    2 points
  16. temos que botar pra quebrar na marcha em sp puta sacanagem essa sentença
    2 points
  17. Esta sentença é prova cabal (cabalíssima!) de que o judiciário não entende NADA sobre maconha. NADA!!!!!!!
    2 points
  18. e aeeee galere!!!! venho compartilhar essas informacoes com voces.... Óleo de Cannabis: Qual o melhor e mais saudável método de produção. Cannabis oil: What is the best and healthiest way to produce cannabis oil? Nesse texto ele fala que o melhor solvente é o óleo de oliva (azeite) pq ele extrai todos os canabinoides e os terpenos, não é tóxico, é barato, não é inflamável, ... etc Simplesmente mistura-se a maconha com o azeite e esquenta em banho maria por cerca de 1-2 horas
    2 points
  19. O Gabor é foda! Foi com ele que mais aprendi no Congresso Internacional sobre Drogas. Inclusive tive a oportunidade de perguntar a ele numa entrevista sobre o cultivo como terapia para superar traumas, e a resposta dele foi que se o cultivador tem uma boa relação com planta isso certamente reflete em sua psique e saúde. Fora isso ele tem a melhor frase contra a redução da maioridade penal: "O Estado quer punir as mesmas crianças que falhou em proteger!"
    2 points
  20. Essa sentença é nossa arma, esses argumentos de senhor da casa grande propagados pelo juiz são a unica coisa que eles tem e ironicamente é isso que vai derrubar eles, peixe ensaboado a gente pega pela boca.
    2 points
  21. 13/05/2013 1 COMENTÁRIO A notícia foi divulgada pelo Facebook da Igreja de Ras Geraldinho. Além dos 14 anos de prisão, o juiz determinou também o confisco do imóvel onde era sediada a igreja, na cidade de Americana (SP). Ante o exposto, JULGO PROCEDENTE a ação penal para condenar o réu GERALDO ANTONIO BAPTISTA, vulgo “Geraldinho Rastafári” à pena de catorze anos, dois meses e vinte dias de reclusão, no regime inicial fechado, e dois mil, cento e trinta e dois dias multa, fixado o dia-multa no piso, como incurso nos artigos 33, parágrafo 1º, incisos II e III, e 35, c.c. artigo 40, inciso VI, todos da Lei n 11.343/2006, bem como para condená-lo no pagamento das custas processuais, que fixo em 100 UFESPs, nos termos da Lei Estadual nº 11.608/03. Recomende-se o réu na prisão onde se encontra. Nos termos do que dispõe o artigo 63 da Lei 11.343/2006 determino a perda do imóvel sequestrado (conforme descrição nos autos em apenso), em favor da União, devendo se proceder consoante os parágrafos do mencionado artigo após o trânsito em julgado da presente sentença. Mais infos sobre o caso CLIQUE AQUI e AQUI. Conteúdo relacionado: Promotoria pede condenação de líder da “igreja da maconha” por associação ao tráfico Nesta quinta (17), em Americana: protesto contra prisão de rastafari fonte: http://coletivodar.org/2013/05/rastafari-geraldinho-e-condenado-a-14-anos-de-prisao-pelo-tj-sp/
    1 point
  22. Pô, é triste ver a situação de alguns de nossos magistrados. Sei que já tiveram um notável conhecimento jurídico, mas estacionaram no tempo. Este camarada, por exemplo, cita inúmeros princípios pró-réu, mas os pensa como eram em 1980. Cita votos embasados em uma lei de tóxicos de 1976, a qual era incrivelmente mais dura, inclusive, até, com os usuários, quem diria então ao "traficante"(aos olhos deste cego). Para se ter ideia do tamanho da desproporcionalidade, é valida a comparação entre as penas para o usuário previstas nessas duas legislações, na mais recente e na citada pelo juiz. Em 1976 os usuários poderiam ser presos por até 2 anos apenas por portar a droga, hoje, por conta da lei promulgada em 2006, não se prende. Também é visível a falta de informação na afirmação de que, a cannabis não se perpetua no meio ambiente brasileiro. Onde? Desde quando? Se ela não se estabeleceu aqui, nem mesmo os brasileiros se estabeleceram, pois tem a mesma data de "importação", já que o cânhamo chegou aqui junto com as primitivas embarcações a vela dos colonizadores, e foi aqui cultivado, livremente, até meados do império. Sem contar com outras dezenas de raciocínios deturpados presentes no texto. Sano, você teria a tese de defesa pra passar pra galera? Pq tbm parece que vacilaram muito nesta defesa. Cometeram alguns erros, como o próprio juiz cita, crassos. Parece que poderia ter sido melhor.... Poderiam ,além de tentar descaracterizar o crime de tráfico, e caracterizar o uso religioso, poderiam trabalhar na desconstrução do objeto de proteção deste tipo de penalidade - A saúde pública. A demonstração, e virtual comprovação, de que a maconha não faz mal, documentada através de inúmeras pesquisas cientificas, poderiam ter sido anexadas, botando em cheque esta visão, ao menos para tentar facilitar a argumentação via STF ,desde o inícioSerá q n rola uma parceria? Consultores jurídicos do growroom + Dr responsável pelo caso? Ae, pra terminar tenho uma, possível, boa nova para o caso: STF decidirá sobre perda de bens apreendidos em decorrência do tráfico de drogas. O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a existência de repercussão geral da questão constitucional em debate no Recurso Extraordinário (RE) 638491, de autoria do Ministério Público Federal (MPF). A Corte decidirá se para o perdimento de bem apreendido em decorrência do tráfico de drogas é necessária a sua utilização habitual ou sua adulteração para a prática do crime. Na instância de origem, o recorrido e o corréu foram presos em flagrante com aproximadamente 88 quilos de maconha no porta-malas de um carro. Após denunciados e processados, eles foram condenados, com base nas penas do artigo 12 da Lei 6.368/1976 (antiga Lei de Drogas), a cinco anos de prisão e ao perdimento do veículo. O Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR), por unanimidade, deu parcial provimento às apelações para afastar o perdimento do veículo por ausência de prova de que o bem fosse preparado para disfarçar o transporte da droga – tipo fundo falso –, bem como da reiteração do uso do veículo para traficar http://stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=238327 Pelo menos que a casa fique, se não, além da desonestidade, e injustiça, é roubo! (DETALHE!!!! OS MALUCOS ESTAVAM COM 88KG NO PORTA-MALAS, FORAM JULGADOS PELA LEI DE 1976 QUE CONDENAVA A ATÉ 15 ANOS POR TRÁFICO, E PEGARAM 9 ANOS A MENOS QUE O RAS!!) Abraços! Good vibes for the fight!
    1 point
  23. repollho ta esperando um Seedsman e agora parceiroooooo?
    1 point
  24. Irmão, não sou consultor jurídico e deixo a cargo deles explicar melhor as consequências legais de manter as plantas no grow, porém por experiência pessoal te aconselho a se livrar não só das plantas, mas tudo que te ligue a maconha. Fica mais tranquilo de se defender caso venha enfrentar um indiciamento por tráfico e deixa as coisas mais tranquilas numa possível "visita inesperada"
    1 point
  25. Coloquem na cabeça cannabis é bom (para maiores de 18 anos)! pegando uma boleia do irmão sano (desculpa) peço a todos para entrar ai nesse link e dar um contributo pros irmão k do outro lado do atlantico vote sim para nova lei! E mais um contributo do que nosso santo remedio pode fazer! http://cannabistuga.com/noticias-cannabis-pode-diminuir-risco-de-cancro-da-bexiga/
    1 point
  26. não não! vamos VAPORIZAR \o/ desobediência civil, argumentação, ideais e paz devem ser as armas do maconheiro 2x
    1 point
  27. "O Estado quer punir as mesmas crianças que falhou em proteger!" BELÍSSIMA frase! Vai pra assinatura...
    1 point
  28. saiuhsiuahssahuias Porra, não me chamavam de bolinho a uns 5 anos! Isso é cultura cachoeirense. E pra quem não viu, segue ai!
    1 point
  29. Provavelmente é bobagem, mas não é possível denunciar o promotor e o juiz por crime de preconceito religioso? http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9459.htm "Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. Pena: reclusão de um a três anos e multa.
    1 point
  30. Foi irada a Marcha! Valeu a pena fugir do hospital pra ir marchar! Pena que cheguei tarde e fiquei pouquinho tempo! Logo posto o vídeo que fiz com a Marcha passando! Valeu Rio, 2009/2013, 5 anos de Marcha da Maconha em Ipanema!
    1 point
  31. Eu sou da seguinte opinião, todo mundo que pede sementes é por sua própria conta e risco, cada um é responsável por seus atos!! Com certeza o cara era aqui da casa por escolher o seedsman, e ser for mesmo a PF deve ta de olho no GR , seria legal a modera dar uma limpada nos tópicos de bancos de seeds, e remover as explanações.( principalmente as datas dos pedidos).
    1 point
  32. Eu não tô vendi isso não, oque fico mais puto, é que se fosse um cidadão comum, eu não dizia nada, pela falta de educação nesse país, mais um delegado federal? desisto de você Brasil, o negocio é arrumar as malas e ir embora!
    1 point
  33. Ja parei e fiquei uma era sem fumar... nao deu nada... mas os primeiros baseados quando voltei me deixaram lesaaado bagarai, nao aguentava nem fumar inteiro... caramba que sensacao estranha, dexa eu ir ali fumar mais um
    1 point
  34. Um pouco de stress e dificuldade pra dormir... coisa de 2 ou 3 dias no máximo... Depois volta ao normal, pelo menos comigo é assim.
    1 point
  35. teria algum lugar bom para fazer um smoke break antes da marcha começar? manda mp algum amigo da capital,vai eu a chesse,ww,olk e pck tem problema?as meninas sao gente fina,só que elas vao ter que ir embora antes da marcha começar,pq na marcha elas nao vao pessoalmente,só nas lembranças. Abs!
    1 point
  36. Já levei muito enquadro, e logo no primeiro aprendi que a resposta é sim... estava fumando maconha sim. E logo nos primeiros enquadros também aprendi a chegar na quebrada e esconder todo o arsenal, ficar apenas com o beck bolado e o iskeiro, sempre na mão nunca no bolso. Infelizmente em um desses enquadros dois amigos meus estava com B.O no bolso (duas pontas com um e 3g com outro), durante o enquadro o policial faleu um monte de merda e nos convidou para entrar na viatura pois seriamos encaminhados ao DP, então falei: Posso dar minha opnião sobre isso? O PM chegou bem perto de mim coisa de 2 dedos pra me dar um beijo e falo: Não! dê sua opnião pro delegado. Beleza... fomos os 3 pro DP, chegou lá (3 da madruga) ví a cena mais linda da minha vida o delegado deu um esporro monstruoso no PM por nos levar pro DP por causa daquela quantidade de maconha, ainda falei tudo oq estava preso na garganta na frente de uns 8 Pm e o delegado, falei sobre o tráfico, sobre ao invés de perder o tempo com uma planta se preocupar com crimes de verdade, sobre a legalização e tal... o delegado concordou com tudo mas infelizmente ele disse que tinha que cumprir os procedimentos foram o artigo de porte de entorpecente e TCO felizmente eu não assinei nenhum dos dois mas meus amigos sim... Infelizmente não podemos contrarias os porcos, temos que concordar com o que dizem ou vai ser pior...
    1 point
  37. Realmente o único e mais obvio jeito de não parecer que tá chapado é não ficar chapado. No mais, você tem 4 opções: 1) Fume muitas horas antes de sair de casa. 2) Abra o jogo com seu pai. 3) Saia de casa e viva sua vida 4) Tente disfarçar A opção 4 eu não recomendo, porque é desconfortável, e você vai ficar todo tenso, ainda mais não tendo experiência e tal, e se der discussão ou briga você vai dar pala, ficar na bad, se sentindo mal, e você não vai passar uma boa primeira impressão para o seu pai em relação a erva, dificultando tudo mais na relação de vocês depois, inclusive uma conversa séria sobre a planta, além de perder a chance de atestar responsabilidade e consciência com o uso, que é o que todos os pais esperam dos filhos, ninguém quer achar que tem um filho viciado e vagabundo, que sai fumando pela rua, fazendo zona, indo em boca comprar fumo com traficante, fica devendo, e volta pra casa marofado e dando pala, e muitos dos pais vão ter essa péssima impressão, muito devido ao preconceito. Cabe a você decidir o que é importante pra você, e tomar as decisões certas para que tudo seja o melhor possível. Te recomendo ou abrir o jogo de maneira séria e sóbrio, ou andar pianinho até ter peito pra abrir o jogo. Outra dica, um grande atestado de consciência e responsabilidade com o uso é plantar, assim você não se envolve com vagabundo, criminoso, não os financia, e tem um produto de qualidade a sua disposição, dentro da sua casa. Mas esse já é um segundo passo. Grande abraço, boa sorte.
    1 point
  38. vo contar uma historia diferente da de todos aki,,,, sempre achei, ate hj acho q é bom admitir mesmo q fumou, mas nesse dia o gambe me deu essa real: a gente nao quer te complicar mas como vc falou q fumou nos temos q levar vc p fz um exame no iml(tava d carro, o exame era pra eu perder a cnh e nao pra ser preso)....entao é foda, tem uns q gostam q vc admita e outros q vc esconda......ja tomei geral na mesma barreira q eu rodei em outra vez q o cara achou um camarao de tipo 0.6g no banco e jogou fora e na vez q eu rodei eles nao me pararam na blitz e depois foram atras d mim d viatura e ainda plantaram falgrante em mim.....entao resumindo, cada porco é um porco, tem uns menos fdp e uns mais , c tem q dar é sorte ....
    1 point
  39. com licença da rapaziada, um breve relato, a um tempo atraz estavamos em umas 8 pessoas numa fogueirinha de inverno na rua, quando bicho chegou no meio da neblina com sua lanterna que mais pareciam espadas de raio laser, imagine vc os caras colacando a lanterna em direção a nossos olhos e eles perguntaram e respondemos a verdade e mesmo assim eles pegaram um pedaço de pau e desceu a lenha em nós, e mandaram sairmos correndo, eu fiquei escondido olhando de longe depois que eles me liberaram, por que meu irmão ainda estava na mão dos pms, após eles terem espancado a todos, de onde eu estava escondido no meio do mato eu vi passar a viatura e os dois pms rachando o bico da sóva que eles tinham nos dado. pode parecer loucura mas eles tambem agridem por pura diversão. paulada doi muito
    1 point
  • Newsletter

    Want to keep up to date with all our latest news and information?
    Sign Up
×
×
  • Criar Novo...