Berlim pode ter coffee-shops canábicos

Quando Monika Herrmann assumiu o cargo de prefeita de Berlim, em agosto, ela fez da legalização da canábis uma prioridade. O tema acende a polêmica na cidade, especialmente com as eleições federais alemãs estabelecidas para 22 de setembro. Hermann está seguindo os passos políticos de seu antecessor Franz Schulz. Ela vê a legalização da ganja como forma de enfrentar o problema das drogas crescendo no Görlitz Park, que tornou-se um dos centros de tráfico da cidade.

“Se queremos ter controle dos traficantes e seus produtos , temos de gerir a distribuição”, afirma a prefeita . A iniciativa deve lentamente erradicar negócio dos traficantes e prevenir o consumo.

Isso pode ser uma boa notícia para as pessoas que esperam para relaxar em um coffee-shop com um baseado na mão, como em Amsterdam . Mas, segundo Hermann, a política de drogas da Holanda não deve necessariamente ser um modelo para Berlim. Em vez disso, aa gerência das futuras lojas da cidade deve contratar vendedores com formação médica a fim de aconselhar os clientes de maneira apropriada.

Isto marca um passo significativo para aqueles que buscam a reforma da política de drogas . “A questão é sobre tirar os traficantes do negócio e criar uma estrutura em que se pode comprar canábis sem aditivos, e por isso é menos perigosa”, afirma Georg Wurth da Organização de Canábis de Berlim. “Começamos uma campanha para motivar outras cidades a fazer o mesmo, abrir coffee-shops ou clubes sociais canábicos, como na Espanha, a fim de resolver todos os problemas que estamos enfrentando devido à proibição”.

De acordo com a legislação alemã, a compra e venda de maconha são ilegais. O consumo, no entanto, é um tema ainda nebuloso. Cabe a cada estado determinar a quantidade de maconha que uma pessoa pode possuir sem ser presa. Possuir uma pequena quantidade para uso pessoal tem pouco ou nenhuma repercussão legal. Em Berlim, o limite é de 15 gramas, enquanto em Hamburgo somente seis gramas são tolerados.

No momento, porém , a chamada para legalizar a maconha conta com apoio político insuficiente . Embora os socialdemocratas (SPD), o Partido de Esquerda e do Partido Pirata estão pedindo políticas menos restritivas, os conservadores locais preferem manter a proibição. Eles querem a polícia para resolver o problema. A comissária de drogas de Berlim Christine Köhler-Azara acha que a ideia de abrir coffee-shops “irrealista”, já que a política de drogas alemã foca em prevenção e aconselhamento.

O porta-voz da polícia Thomas Neuendorf também é cético quanto à eficácia doa coffee-shops. “Enquanto houver consumidores, haverá comércio”, disse. Por outro lado, ele está convencido que a proposta faria com que os traficantes se mudassem para outras áreas da cidade. Até julho deste ano, a polícia realizou cerca de 60 blitzes especiais em Görlitz Park. Acusações criminais foram feitas contra foram 170 pessoas, 90 delas supostamente em violação da lei de drogas.

Porém, o narcotráfico continua como sempre em Görlitz Park. “Eu nunca vi um traficante agressivo”, disse uma residente da região . “Eles se aproximam frequentemente, no entanto. Eu não me importaria em ter coffee-shops nessa área”.

A reforma na lei da canábis será decidida pelo Instituto Federal de Medicamentos de Bonn. Por enquanto o assunto está sendo debatido no parlamento regional de Berlim, e Hoffmann pretende apresentar um requerimento com o respectivo departamento.