Cultivo de maconha para uso medicinal pode ser aprovado em comissão

Votação que aconteceria nesta quarta-feira (21) foi adiada

0
2126

{Atualizado às 20h06 – 21/11} Como tínhamos noticiado, nesta quarta-feira (21) a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) analisaria o projeto que descriminaliza o cultivo de maconha para uso pessoal terapêutico (PSL 514/2017). Entretanto, a votação foi adiada por conta de um pedido de revisão feito pelo senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) e provavelmente acontecerá na semana que vem.

 

A senadora Marta Suplicy entrou com um pedido de revisão da decisão tomada pelo também senador Sérgio Petecão, que decidiu barrar a SUG 25/2017, que pede a descriminalização do cultivo para uso pessoal e contou com 126 mil votos à favor, contra 13 mil contra. Essa é uma votação popular, feita através do Portal e-Cidadania.

Ebook Guia de Cultivo Growroom

EBOOK GRATIS 

GUIA DE CULTIVO GR

Os argumentos apresentados por Petecão para barrar a continuidade do projeto foram arbitrários, sem base científica. Ele afirmou que o nosso país não está preparado para debater a descriminalização da maconha e continuou, dizendo que o consumo de cannabis pode aumentar a ingestão de industrializados, como refrigerantes e chocolates. Mas logo em seguida, Marta Suplicy, presidente da CAS, entrou com um pedido de revisão, que foi aprovado.

O texto se mostrou favorável à proposição na forma de substitutivo que permite à União liberar a importação de plantas e sementes, o plantio, a cultura e a colheita da cannabis sativa exclusivamente para fins medicinais ou científicos, em local pré-determinado e com o controle de um órgão fiscalizador. O substitutivo da senadora também altera a Lei de Drogas (Lei 11.343, de 2006), que passaria a liberar o cultivo e colheita de cannabis para associações de pacientes ou familiares de pessoas que fazem uso medicinal da substância, em quantidades determinadas pela prescrição médica.

LEIA MAIS: #VergonhaPetecão: veja por quê o senador barrou a SUG/25

Diferentemente de Petecão, Marta defende que o tema tem que ser discutido e não pode seguir pelo viés ideológico ou político, principalmente quando falamos de saúde e vidas.

– Mais que tudo, é preciso que tenhamos empatia e nos coloquemos no lugar do outro. É assim que defendemos a verdadeira essência do cuidado em saúde, que é mitigar o sofrimento humano.

A senadora também apontou diversas pesquisas científicas relacionadas aos benefícios da cannabis para o tratamento de inúmeras enfermidades, como epilepsia, autismo, Alzheimer, doença de Parkinson, dores crônicas e neuropatias e reforçou que o uso medicinal da cannabis não é capaz somente de aliviar o sofrimento dos pacientes, mas como dos seus familiares.

– Não há justificativa plausível para deixar a população brasileira alijada dos avanços científicos nesta área, porque a informação obtida destes estudos deu apoio à ideia de que o sistema canabinoide é suscetível à manipulação farmacológica, assim como outros sistemas fisiológicos humanos. Isto levou à descoberta de moléculas canabinoides com utilidade terapêutica. E desde então, a importância medicinal da cannabis tem sido reiteradamente demonstrada pela Ciência.

Nesta segunda-feira (19), Marta usou sua conta no Instagram para falar mais a respeito do assunto.

Visualizar esta foto no Instagram.

Sou a favor que seja liberado no país o semeio, o cultivo e a colheita da cannabis, visando o uso pessoal terapêutico, por associações de pacientes ou familiares de pacientes que fazem o uso medicinal da substância, criadas especificamente com esta finalidade, em quantidade não mais que a suficiente ao tratamento segundo a prescrição médica. O projeto que descriminaliza o cultivo da maconha para uso pessoal terapêutico será tratado na próxima quarta-feira na Comissão de Assuntos Sociais do @senadofederal. @feministasantiproibicionistas @plataformapbpd #CannabisMedicinal #Saúde #CAS #SenadoraMarta #SenadoraMartaSuplicy #maconhamedicinal #pls514 #maconhaterapeutica #aprovasenado #cannabisterapeutica

Uma publicação compartilhada por Marta Suplicy (@senadoramartasuplicy) em

A CAS é formada por 21 senadores titulares e 21 senadores suplentes, que discutem nesta quarta-feira o futuro do projeto e decidem se darão ou não continuidade a sugestão popular que pede a descriminalização da maconha. Independente do resultado, que obviamente torcemos para que seja positivo, é indiscutível que nunca chegamos tão longe no debate sobre maconha aqui no Brasil e esse é um ótimo caminho para que a nossa voz seja ouvida e os políticos entendam que juntos somos mais fortes.

Para acompanhar a discussão, basta clicar aqui.

#DescriminalizaSTF #QuemAmaPlanta #SalvaNósMarta

Deixar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.