Literatura cannabica: 10 dicas nacionais para ler nas férias!

Natal, reveillon, fogos e — principalmente — recesso de fim de ano. O ano de 2017 já era e, mesmo que — por mais um ano — as drogas tenham ganhado a guerra às drogas, a pauta avançou e muito. Preparamos uma lista de literatura cannábica para quem tiver um tempo extra e quiser ler um livro e se munir de mais informações.

A legalização da cannabis concluiu todos os seus estágios no Uruguai, em estados dos EUA como Colorado empresas têm tido lucros impressionantes e a área da ciência também vem ganhando mais força. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro do primeiro medicamento à base de maconha no Brasil.

+ Informação: Cannabis indica vs. Cannabis sativa
CBD: o que você precisa saber sobre os benefícios medicinais da cannabis
As 27 perguntas que todo maconheiro gostaria de fazer ao seu dentista

Nesse tempo em que muitos terão alguns dias livres, trazemos uma lista com dez sugestões de livros para promover conhecimento não só para cultivadores e usuários mas também curiosos.

Veja abaixo a lista completa:

Foto: Divulgação

1 — Diamba Sarabamba (Coletânea de textos brasileiros sobre a maconha)
Ground, 1986.
Organizadores: Anthony Henman e Osvaldo Pessoa Jr.

Organizado por Anthony Henman e Osvaldo Pessoa Jr, o livro, de 1986, faz uma reunião de textos proibicionista do início do século XX e de materiais antiproibicionsitas pioneiros no cenário nacional. A reunião apresenta peças deAlberto Zacarias Toron,  Anthony Henman, Elisaldo Carlini, Luiz Mott, e Osvaldo Pessoa Júnior que abordam temas como aspectos farmacológicos, conflitos entre as autoridades e os índios Tenetehara do Maranhão, um resumo histórico da maconha no Brasil, aspectos sócio-jurídicos e das perspectivas da legalização da maconha em solo brasileiro.

Foto: Divulgação

2 —  Fumo de Angola: Canabis, Racismo, Resistência Cultural e Espiritualidade
Edufba, 2016
Autor(es): Edward Macrae, Wagner Coutinho Alves (Org).

A coletânea de 23 textos debate a cannabis de diferentes pontos de vista. As questões levantadas passam por temas como o racismo e a espiritualidade, botânica, segurança pública, o folclore a questão moral, rituais religiosos em torno da planta, o autocultivo, questões históricas de diversos locais, como os estados de Salvador e Maranhão e países como a Jamaica. A coletânea é carregada de argumentações sólidas e exemplos históricos.

Foto: Divulgação

3 — Cânnábis Anonymous
Editora Indepentende, 2012
Autor: Mário Márcio Pelajo

Entre possibilidades alimentícias, energéticas, industriais, manufatureiras, medicinais e terapêuticas, a obra apresenta a cannabis como uma realidade anônima e democrática. Com uma análise de diversos fatores interacionais, o livro apresenta questões estratégicas de países como China e Estados Unidos, além do continente europeu e outros lugares.

 

Foto: Divulgação

4 — Jardim em Chamas
Editora Chiado, 2016

Autor: Gustavo Grossi

O romance traz uma grande denúncia à opressão que os cultivadores ainda sofrem no estado brasileiro. Baseado em um mundo “em chamas” e bastante opressor com quem pretende cultivar sua própria erva, o livro se baseia na história de Togz e Frankz que buscam, dentro de um presídio de segurança máxima no Rio de Janeiro, suas liberdades e provar que são inocentes.

Foto: Divulgação

5 — Tá Todo Mundo Enganado
Editora Babecco, 2014
Autor: Ubirajara Ramos

O pesquisador Ubirajara nos apresenta uma séria análise sobre a utopia proibicionista, desmistificando uma série de lendas que permeiam a planta da cannabis. A obra passa pelo fracasso que é a chamada política de guerra às drogas, explora seu histórico fracasso para a humanidade e apresenta uma outra política de drogas como possível, com destaque no potencial ecológico, industrial e medicinal.

 

Foto: Divulgação

6 — O Fim da Guerra
Editora Leya, 2011
Autor: Denis Russo Burgierman

O livro foi motivado pelo total de 210 milhões de usuários de drogas ilícitas no mundo inteiro, sendo que 165 milhões são maconheiros. O jornalista Denis Russo Burgieman viajou o mundo e entrevistou autoridades, cultivadores, doentes crônicos e terminais, estudiosos, médicos, entre outros agentes do processo. O livro apresenta argumentos contra a proibição, sem o estigma de que “todo mundo vai fumar se legalizar”.

Foto: Divulgação

7 — Almanaque das Drogas
Leya, 2012
Autor: Tarso Araujo

Com mais de 400 páginas o livro conta com 200 fotos e dezenas de ilustrações e infográficos, em uma obra que aborda economia, história, diferentes políticas de controle de drogas diversas, além da questão da saúde. A obra conta com uma leitura bastante aprofundada sobre diferentes substâncias psicoativas com foco no capítulo “Drogas de A a Z”, excelente para consultas e para o estudo pessoal dos usuários e, é claro, dos curiosos.

Foto: Divulgação

8 — O Uso Medicinal da Canábis
Editora Chiado, 2015
Autora: Susan Witte

Colaboradora do Growroom, Susan Witte apresenta no livro uma série de atores do uso medicinal da cannabis. A obra apresenta uma séria análise científica com o ponto de vista de médicos e pacientes em um ambiente proibicionista. Em tal contexto, muitos se tornam reais vítimas de políticas proibicionistas e são impedidos de buscar um tratamento barato, ao mesmo tempo a pesquisa é inviabilizada pelos mesmos motivos.

Foto: Divulgação

9 — Cannabis Medicinal — Introdução ao Cultivo Indoor
Editora Independente, 2010
Autor: Sergio Vidal.

A obra visa atingir qualquer um que tenha curiosidade, interesse ou necessidade de tratar do cultivo da cannabis medicinal, o que já é permitido, mesmo com muita burocracia, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em alguns casos. O livro trata da questão instituicional, de como conseguir uma permissão para cultivar, também analisa o processo da plantação em si e também a utilização de cannabis e derivados.

Foto: Divulgação

10 — Verão da Lata
Leya, 2012
Autor: Wilson Aquino

O livro revive uma grandíssima história, que virou até gíria, e resultou em muitos outros desdobramentos culturais no território brasileiro: o Verão da Lata. Em agosto de 1987, a partir de uma denúncia de órgão internacionais, a Polícia Federal preparou uma força tarefa para impedir que toneladas de maconha chegassem ao país em um navio, porém não apreenderam nada. Poucos dias depois começava a desaguar um número enorme de latas no litoral brasileiro.

Conheça a Semana do Grower!