Está na hora de trocar a seda por um vaporizador?

0
22918
Vaporizador para Maconha
Vaporizar evita o calor e a ingestão de uma série de subprodutos relacionados à combustão

Mais saudáveis e discretos, os vaporizadores viraram moda há algum tempo. Entenda o porquê.

Na seda, no bong, no pipe, no balde, na maçã, na comida. Todo maconheiro conhece ao menos duas ou três maneiras de consumir a erva de Jah. Recentemente, uma técnica mais saudável ganhou espaço no universo canábico: O uso do vaporizador

Os vaporizadores viraram moda nos Estados Unidos há algum tempo. Em vários estados, é comum encontrar uma galera caminhando pela rua com um canudo próximo à boca, carregado de ganja. Também há quem use os aparelhinhos para aromaterapia.

Vaporizador e a sua saúde

O esquema de funcionamento dos vapes é simples: O aparelho aquece a erva até que ela atinja a temperatura necessária para liberar o THC e outros canabinóides. O vapor que resulta desse processo é livre de substâncias que não foram liberadas pela planta.

A queima tradicional de um baseado libera compostos tóxicos, como o alcatrão e monóxido de carbono, não importa o quão verdinha seja sua erva. Além disso, a fumaça quente aumenta os riscos de câncer de boca e garganta. Nos EUA, a legislação para o uso medicinal da maconha em New York desaconselha o uso da versão fumada e sugere que os paciente vaporizem sua ganja.

A discrição do Vaporizador

Outra vantagem dos vaporizadores discrição. Em geral, os vapes são pequenos, bonitos e não produzem qualquer barulho ou cheiro. Com um desses, acaba o incômodo com os vizinhos por causa da marofa.

Na vaporização, não ocorrem perdas de THC causadas pelo excesso de calor, como na combustão de baseado normal. Vaporizar é mais econômico, ou seja, gasta menos maconha.

Modelos de Vaporizador

Existem dois tipos de vaporizador: O portátil e o de mesa. Os grandões são elétricos, enquanto os portáteis usam bateria ou gás butano.

No Brasil, a prática ainda engatinha. Algumas headshops brasileiras vendem os modelos mais populares, como o Volcano, Vapir e o portátil G Pen, assinado pelo Snoop Dogg.

Talvez aquele monte de botões e luzes assuste muitos maconheiros old school. Além disso, o preço desses aparelhinhos ainda é um tanto salgado, por custos de importação.

Se você é um cannabier e se preocupa com cada fase do processo de ficar chapado, investir em um vaporizador é uma ótima pedida. O mesmo vale para quem só consome a cannabis com fins medicinais. Para viciados no ritual de bolar e que só querem curtir uma brisa suave, o vape é um brinquedo um pouco caro.